quinta-feira, 4 de junho de 2015

Jesus Cristo - Claudia (1971)

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui
Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui...

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui...

Olho no céu e vejo
Uma nuvem branca que vai passando
Olho na terra e vejo
Uma multidão que vai caminhando...

Como essa nuvem branca
Essa gente não sabe aonde vai
Quem poderá dizer o caminho certo
É você meu Pai...

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui
Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui...

Toda essa multidão
Tem no peito amor e procura a paz
E apesar de tudo
A esperança não se desfaz...

Olhando a flor que nasce
No chão daquele que tem amor
Olho no céu e sinto
Crescer a fé no meu Salvador...

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui
Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui...

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui...

Em cada esquina eu vejo
O olhar perdido de um irmão
Em busca do mesmo bem
Nessa direção caminhando vem...

É meu desejo ver
Aumentando sempre essa procissão
Para que todos cantem
Na mesma voz esta oração...

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui...

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui...

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui
Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui...

Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo eu estou aqui
Jesus Cristo! Jesus Cristo!
Jesus Cristo...

Roberto Carlos / Erasmo Carlos




1971 - Jesus Cristo

sábado, 29 de novembro de 2014

Bolinha de Papel - João Gilberto (1962)

Só tenho medo da falseta,
Mas adoro a Julieta, como adoro
Papai do Céu
Quero seu amor, minha santinha
Mas só não quero que me faça de bolinha de papel
Tiro você do emprego,
Dou-lhe amor e sossego,
Vou ao banco e tiro tudo pra você gastar
Posso, Julieta, lhe mostrar a caderneta
Se você duvidar

Só tenho medo da falseta,
Mas adoro a Julieta, como adoro
Papai do Céu
Quero seu amor, minha santinha
Mas só não quero que me faça de bolinha de papel
Tiro você do emprego,
Dou-lhe amor e sossego,
Vou ao banco e tiro tudo pra você gastar
Posso, Julieta, lhe mostrar a caderneta
Se você duvidar

Geraldo Pereira



1962 - The Boss Of The Bossa Nova

domingo, 2 de novembro de 2014

Janela - Angela Maria (1966)

Janela oi, janela
Janela de barracão de favela
Janela oi, janela
Janela de barracão de favela

Moldura de dois quadros diferentes
Fronteira de dois mundos desiguais
Maria vive o quadro de dentro
Mas seu panorama é lindo demais
E o contraste mantém a esperança dela
Graças a você, janela

Janela oi, janela
Janela de barracão de favela
Janela oi, janela
Janela de barracão de favela

Moldura de dois quadros diferentes
Fronteira de dois mundos desiguais
Maria vive, vive o quadro de dentro
Mas seu panorama é lindo demais
E o contraste mantém a esperança dela
Graças a você, janela

Janela oi, janela
Janela de barracão de favela
Janela oi, janela
Janela de barracão de favela

Janela de barracão de favela
Janela de barracão de favela
Uh, janela de barracão de favela...

Jota Junior



1966 - O Samba Vem Lá de Cima

Boêmio Na Calçada - Angela Maria (1966)

...Vai o sol

Vai o sol, vem a lua
E a vida continua
Cai o orvalho, da madrugada
Mas há sempre um boêmio na calçada
Vai o sol...

Vai o sol, vem a lua
E a vida continua
Cai o orvalho, da madrugada
Mas há sempre um boêmio na calçada

Com o copo na mesa e um violão
O boêmio faz um samba
Que lhe sai do coração

Ele fala do morro
Sobre um tema qualquer
Mas no fundo, o motivo é a mulher
Vai o sol...

Vai o sol, vem a lua
E a vida continua
Cai o orvalho, da madrugada
Mas há sempre um boêmio na calçada

Com o copo na mesa e um violão
O boêmio faz um samba
Que lhe sai do coração

Ele fala do morro
Sobre um tema qualquer
É, mas no fundo, o motivo é a mulher

Mas há sempre um boêmio na calçada
Mas há sempre um boêmio na calçada
Mas há sempre um boêmio na calçada...

Rubens Campos / Waldemar Silva



1966 - O Samba Vem Lá de Cima

Menina, Quem Foi Seu Mestre - Angela Maria (1966)

Menina, quem foi seu mestre?
Seu mestre foi seu amor
Menina, quem foi seu mestre?
Seu mestre foi seu amor
Coração magoado, coração sofredor

Menina, quem foi seu mestre?
Seu mestre foi seu amor
Mas, menina, quem foi seu mestre?
Seu mestre foi seu amor
Coração magoado, coração sofredor
Coração magoado, coração sofredor

Enxuguei as lágrimas da saudade
Para esquecer aquele amor
Eu tenho um coração amargurado
Tenho o coração sofredor

Não tenho um amor, não tenho um amor
Não tenho um amor, meu Deus, que horror
Não tenho um amor, não tenho um amor
Não tenho um amor, meu Deus, que horror

Menina, quem foi seu mestre?
Seu mestre foi seu amor
Ai menina, quem foi seu mestre?
Seu mestre foi seu amor
Coração magoado, coração sofredor
Coração magoado, coração sofredor

Menina, quem foi seu mestre?
Seu mestre foi seu amor
Menina, quem foi seu mestre?
Seu mestre foi seu amor
Coração magoado, coração sofredor
Coração magoado, coração sofredor

Enxuguei as lágrimas da saudade
Para esquecer aquele amor
Eu tenho um coração amargurado
Tenho o coração sofredor

Não tenho um amor, não tenho um amor
Não tenho um amor, meu Deus, que horror
Não tenho um amor, não tenho um amor
Não tenho um amor, meu Deus, que horror

Não tenho um amor, não tenho um amor
Não tenho um amor, meu Deus, que horror
Não tenho um amor, não tenho um amor
Não tenho um amor, meu Deus, que horror...

Erasmo Silva



1966 - O Samba Vem Lá de Cima

sábado, 18 de outubro de 2014

Falsa Baiana - Roberto Silva (1958)

Baiana que entra na roda, só fica parada
Não canta, não samba, não bole nem nada
Não sabe deixar a mocidade louca

Baiana é aquela que entra no samba de qualquer maneira
Oi, que mexe, remexe, dá nó nas cadeiras
Deixando a moçada com água na boca

Baiana que entra na roda, só fica parada
Não canta, não samba, não bole nem nada
Não sabe deixar a mocidade louca

Baiana é aquela que entra no samba de qualquer maneira
Oi, que mexe, remexe, dá nó nas cadeiras
Deixando a moçada com água na boca

A falsa baiana quando cai no samba ninguém se incomoda
Ninguém bate palma, ninguém abre a roda
Ninguém grita ôba, salve a Bahia, Senhor!

Mas a gente gosta quando uma baiana quebra direitinho
De cima embaixo, revira os olhinhos
E diz eu sou filha de São Salvador, êê meu Senhor!

A falsa baiana quando cai no samba ninguém se incomoda
Ninguém bate palma, ninguém abre a roda
Ninguém grita ôba, salve a Bahia, Senhor!

Mas a gente gosta quando uma baiana quebra direitinho
De cima embaixo, revira os olhinhos
E diz eu sou filha de São Salvador, êê meu Senhor!

Baiana que entra na roda, só fica parada
Não canta, não samba, não bole nem nada
Não sabe deixar a mocidade louca

Baiana é aquela que entra no samba de qualquer maneira
Oi, que mexe, remexe, dá nó nas cadeiras
Deixando a moçada com água na boca

Geraldo Pereira



1958 - Descendo O Morro

Juracy - Roberto Silva (1958)

Desde o dia em que eu te vi Juracy
Nunca mais tive alegria
Meu coração ficou daquele jeito
Dando pinoto dentro do meu peito

Mas agora eu quero, eu quero saber
Qual a sua opinião
Pra resolver nossa situação
Pode ser ou tá difícil coração

Desde o dia em que eu te vi Juracy
Nunca mais tive alegria
Meu coração ficou daquele jeito
Dando pinoto dentro do meu peito

Mas agora eu quero, eu quero saber
Qual a sua opinião
Pra resolver nossa situação
Pode ser ou tá difícil coração

Eu trabalhei durante um ano inteiro
E consegui juntar algum dinheiro
Fiz uma casa que é um amor
Pois tem rádio, geladeira e tem ventilador

Nossa casinha lá na Marambaia
Fica a dois passos da beira da praia
E se você achar que lhe convém
Eu lhe garanto tudo isso e o céu também

Eu trabalhei durante um ano inteiro
E consegui juntar algum dinheiro
Fiz uma casa que é um amor
Pois tem rádio, geladeira e tem ventilador

Nossa casinha lá na Marambaia
Fica a dois passos da beira da praia
E se você achar que lhe convém
Eu lhe garanto tudo isto e o céu também

Antônio Almeida / Cyro de Souza



1958 - Descendo O Morro